O tempo em que os relógios não eram a pilhas - Museu do Relógio, Serpa

Nós com eles, Programas

Tudo começou em 1972 quando António Tavares d ‘Almeida (1948-2012), herdou dos seus avós três relógios de bolso avariados. A partir de então, este coleccionador procurou relógios por todo o país e mundo, com vista ao restauro e ao aumento do espólio.

Em 1995 abre a sua colecção ao público e desde então perto de 400 relógios avariados foram doados ao Museu, que com a colaboração dos seus Mestres relojoeiros são recuperados e mostrados ao público. Em Dezembro de 2011 deu-se a expanção do espólio com a abertura do Pólo de Évora. O seu filho Eugénio, actual director e conservador do Museu, continua a dedicar-se ao Museu, procurando dar vida não só aos seus relógios mas também a todos os relógios que ao Museu são doados.

Este museu é o único na Península Ibérica e um dos cinco que, a nível mundial, se dedica a esta temática, possuindo um espólio com cerca de 2.400 relógios mecânicos desde 1630 até aos dias de hoje.

Encontra-se sedeado em Serpa, no edifício do Convento do Mosteirinho do século XVI, em pleno centro histórico da cidade. Em Em Évora estende-se a colecção no “Museu do Relógio – Polo de Évora”, localizado no nobre Palácio Barrocal (junto à famosa Praça do Giraldo), onde expõe mais de 500 peças da sua colecção total.

 

 

Visitas guiadas
O museu oferece aos seus visitantes visitas guiadas, com uma duração de 20′ a 45′, dependendo do interesse dos visitantes e do tempo disponível.

Serpa | Convento do Mosteirinho (Junto à Praça da República) 7830-341 SERPA
Évora | Palácio Barrocal, Rua Serpa Pinto, 6

Obs.: Entrada gratuita até aos 10 anos. Última entrada às 17h.

Tel: 284 543 194 / 266 751 434

Comentários

comentários